cirurgias-pos-maternidade-crescem-entre-mulheres-com-mais-de-35-anos-3

Cirurgias pós-maternidade crescem entre mulheres com mais de 35 anos.

26/10/17 - Portal R7


A busca por cirurgias plásticas para retomar as medidas anteriores à gravidez — também conhecidas como mommy makeover (ou reforma da mamãe) — tem crescido no País especialmente entre mulheres com mais de 35 anos. São procedimentos focados na região abdominal e das mamas, como lipoaspiração, abdominoplastia e mastopexia. A orientação é que as mães que desejam se submeter às cirurgias aguardem pelo menos um ano após a amamentação, mas há quem espere somente seis meses.

Sociedades da área não têm um levantamento específico sobre o mommy makeover, mas especialistas ouvidos pela reportagem apontam alta de até 30% em suas clínicas nos últimos dois anos entre mães com mais de 35 anos. Esse crescimento integra o cenário, cada vez mais frequente, de adiamento da gravidez. Dados divulgados em novembro de 2016 pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que em dez anos o porcentual de mulheres que se tornam mãe entre 30 e 39 anos passou de 22,5% para 30,8%.

"Esse é um movimento que não se via quando a gravidez era pouco frequente após os 35 anos. Todos os anos fazemos pesquisas com os cirurgiões plásticos, e em 2018 vamos incluir questões sobre os procedimentos nesta faixa etária", afirma o diretor da Isaps (Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética), Carlos Uebel.

De acordo com os médicos, as mulheres que procuram as cirurgias depois da maternidade buscam recuperar a autoestima, relatam dificuldade de alcançar a forma física desejada com exercícios físicos e alimentação e, em geral, estão decididas a não ter mais filhos.

"Certamente as mães estão vindo ao consultório mais cedo no período pós-parto para entender quais procedimentos podem ser realizados. O perfil é a mulher que já está com a família constituída e sofreu grandes alterações na forma física", diz Luís Felipe Maatz, cirurgião plástico e membro da SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica), que relata aumento de 30% nos procedimentos.

É o caso da arquiteta Andrea Oliveira, de 37 anos, que teve o filho aos 35. Decidida a não engravidar novamente, ela se submeteu a intervenções na região abdominal e nas mamas — colocou próteses e passou por cirurgia para levantá-las. "Todas as mães que eu conheço querem colocar o corpo em ordem. A gravidez muda muito o corpo e, depois da cirurgia, retomamos a parte estética e a autoestima."




Contato